terça-feira, 25, junho, 2024

adm.portalatualizado@gmail.com
(92)98474-9643

Search
Close this search box.

Polícia vai investigar chamadas de ambulâncias com frequências na casa de Djidja

Após vizinhos de Djidja Cardoso relatarem que ambulâncias eram chamadas com frequência para a casa da ex-sinhazinha, a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) informou nesta sexta-feira (7) que vai investigar do que se tratavam os pedidos de socorro no local.

Em entrevista a uma emissora de TV, algumas pessoas que moram próximo da casa da ex-sinhazinha, contaram que as chegadas dessas ambulâncias aconteciam, principalmente, durante o período da noite.

De acordo com uma vizinha, a família, que mora no local há cerca de 2 anos, saia pouco da residência.

“A gente não via nem ela e nem a mãe, na rua assim, mas o irmão dela sempre eu via. Quando ele ia passear com o nenenzinho aqui com aquela esposa dele”, disse.

Investigação

Djidja Cardoso foi encontrada morta, em sua residência, no dia 28 de maio. Segundo o Inquérito Policial, a suspeita é que a ex-sinhazinha tenha morrido de overdose de cetamina.

Após a morte de Djidja, a mãe Cleusimar Cardoso, o irmão Ademar Cardoso e três funcionários do salão de beleza da família começaram a ser investigados pela polícia.

Os cinco são suspeitos de integrarem uma seita religiosa, denominado “Pai, Mãe, Vida”, responsáveis por fornecer e distribuir a substância de cetamina, além de incentivar e promover o uso da droga de forma recreativa.

Atualmente, a mãe, o irmão e dois funcionários do salão de beleza sendo, a gerente Verônica Costa e o maquiador Marlisson Vasconcelos ainda estão presos. A maquiadora Claudiele Santos recebeu prisão domiciliar por ser mãe de um menor de 12 anos.