domingo, 14, abril, 2024

adm.portalatualizado@gmail.com
(92)98474-9643

Search
Close this search box.

Escândalo de má gestão e corrupção no Tropical Executive: conselho reempossado ignora Justiça e promove o caos

Um movimento contra a má gestão e corrupção ganha força no Edifício Tropical Executive, localizado na Ponta Negra, zona Oeste de Manaus, onde o Conselho de Administração eleito em 2015 está no centro de um escândalo envolvendo a Nobile, empresa contratada para gerenciar o condomínio e o hotel.

Em 2017, a Nobile abandonou a gestão do condomínio, deixando uma dívida absurda de R$ 4,5 milhões, incluindo R$ 900.000,00 em títulos protestados, contas de luz atrasadas e um débito de R$ 2 milhões com o INSS. A empresa KSS então assumiu a árdua tarefa de administrar o caos, levando seis anos para quitar a dívida, modernizar as unidades habitacionais e valorizar significativamente os Flats do Tropical.

Contudo, em julho de 2023, uma decisão judicial trouxe de volta o Conselho eleito em 2015 por dois meses, com a missão de convocar uma nova assembleia para eleger um novo conselho e síndico. Surpreendentemente, esse conselho reempossado ignorou a ordem judicial, não convocou a assembleia e trouxe de volta a Nobile.

As ações do conselho reempossado têm gerado caos no condomínio:

– Salários atrasados para os funcionários.

– Retirada da assistência médica dos funcionários.

– Atrasos no pagamento do vale transporte.

– Desistência de uma ação milionária de R$ 14 milhões contra a Nobile. – Tentativa de se manter indefinidamente no conselho.

Em novembro, o judiciário agiu corretamente ao marcar uma assembleia para 11 de dezembro de 2023. No entanto, o conselho reempossado oferece descontos de mais de 60% para os condôminos inadimplentes, visando angariar votos favoráveis.

A pergunta que não quer calar é: por que a Nobile deseja reassumir a gestão de um condomínio que abandonou em 2017 com as contas em dia, deixando um rombo financeiro de R$ 4,5 milhões? A corrupção começa a partir do momento em que o condomínio elege um Conselho que tem o objetivo de lucrar em cima do patrimônio coletivo.

Este escândalo expõe uma corrupção descarada na administração de condomínios, ressaltando a necessidade de denunciar práticas inadequadas e incentivar a participação dos condôminos em assembleias para combater a corrupção e a má gestão, contribuindo para a construção de um país mais justo e transparente.

Fonte: CM7