segunda-feira, 26, fevereiro, 2024

adm.portalatualizado@gmail.com
(92)98474-9643

Search
Close this search box.

Operação da Receita do DF recupera R$ 226 mi em tributos sonegados

A Receita do Distrito Federal recuperou mais de R$ 226 milhões em impostos na Operação Tributum Vexillum, deflagrada na madrugada desta sexta-feira (24/11). O valor corresponde a tributos devidos referentes a mais de R$ 568 milhões em mercadorias irregulares apreendidas durante três fases da operação.

Os produtos entrariam em circulação com notas fiscais impróprias, erros de registro e falsas informações, as quais seriam usadas por vendedores e compradores para sonegar impostos.

As mercadorias apreendidas somam R$ 568.611.529,91. Ao valor, é adicionado o devido com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a multa pela sonegação. Com isso, os tributos não pagos chegam a R$ 226.504.714,92.

Os impostos recolhidos são usados pelo Estado como receitas tributárias aplicadas para desenvolvimento de políticas públicas, como obras, ações na educação, na saúde, na segurança, na mobilidade e em programas sociais, segundo a Receita do DF Divulgação/Receita do DF. As mercadorias apreendidas somam R$ 568.611.529,91. Ao valor, é adicionado o devido com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a multa pela sonegação, com isso, os tributos não pagos chegam a R$ 226.504.714,92.

Os impostos recolhidos são usados pelo Estado como receitas tributárias aplicadas para desenvolvimento de políticas públicas, como obras, ações na educação, na saúde, na segurança, na mobilidade e em programas sociais, segundo a Receita do DF.

As mercadorias apreendidas somam R$ 568.611.529,91. Ao valor, é adicionado o devido com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a multa pela sonegação.
A lista de produtos irregulares inclui bebidas, material elétrico, confecções, eletrônicos, alimentos e suplementos, itens agropecuários, móveis, cosméticos, mercadorias automotivas, calçados, peças de vestuário, entre outros.

A fiscalização ocorreu em três etapas e contou com o trabalho de diversos auditores. As ações se passaram em rodovias, transportadoras, na Rodoviária Interestadual de Brasília, em estabelecimentos comerciais e no Aeroporto Internacional de Brasília.

Os impostos recolhidos são usados pelo Estado como receitas tributárias aplicadas para desenvolvimento de políticas públicas, como obras, ações na educação, na saúde, na segurança, na mobilidade e em programas sociais, segundo a Receita do DF.

Com informações de: Metrópoles