05/04/2020 (92) 98474-9643

Policia

Camp mosquito01

Vítimas de violência doméstica no Amazonas têm a seu favor o app "Alerta Mulher"

O aplicativo funciona como uma espécie de "botão de pânico", que aciona a equipe da Polícia Militar mais próxima da casa da vítima

Por Larissa 26/03/2020 às 14:21:22

Reprodução

Sob diversas formas e intensidades, a violência doméstica contra as mulheres é recorrente e presente em todo o mundo, infelizmente, e motiva crimes hediondos e graves violações dos Direitos Humanos. Pensando nisso, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM), em parceria com a Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), desenvolveu o aplicativo "Alerta Mulher", que funciona como uma espécie de "botão de pânico" para ajudar ainda mais as vítimas desses crimes no Amazonas.

O "Alerta Mulher" é direcionado para mulheres que já possuem registro de violência ou agressão via Boletim de Ocorrência (BO). O cadastro no app pode ser feito somente na Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM). No momento do cadastro, é solicitado o número do BO e do CPF da vítima.

A partir daí, a atendida é orientada a fazer o download do aplicativo no celular, e a efetuar o acesso por meio do seu CPF. Concluído todos os passos, o botão de pânico do alerta é ativado no app.

"No momento em que a vítima aciona o botão do aplicativo, em minutos a Polícia Militar mais próxima vai estar na frente casa dela para que possa ser atendida e o agressor ser levado à prisão em flagrante", explica a delegada Débora Mafra, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM). Ela lembra que o "Alerta Mulher" vai completar quatro anos de existência em setembro.

Ainda conforme a delegada, não precisa ter as medidas protetivas já decretadas para ser realizada a prisão em flagrante do agressor. "A denúncia relatada à autoridade policial, juntamente com a constatação do fato, já é fundamental para que possamos realizar a prisão do indivíduo", destaca.

O app é um canal de rápida comunicação da vítima com a polícia, que pode enviar fotos e áudios pelo aplicativo. Essas informações são recebidas pela equipe de monitoramento de segurança do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) e a viatura mais próxima é direcionada, de forma imediata, para a residência da vítima.

Somente nos dois primeiros meses deste ano, as três Delegacias Especializadas em Crimes Contra a Mulher, que atendem vítimas de violência doméstica em Manaus, já realizaram 3.210 atendimentos.

A maioria dos acionamentos no "Alerta Mulher" feitos no ano passado foi em virtude do descumprimento das medidas protetivas legais, previstas na Lei nº 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha.



Fonte: D24am

comentários